Páginas

Pesquisar no Blog

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Brasil Antártica - Comandante Ferraz


Sinópse:

O Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) foi instituído pelo governo do Brasil em janeiro de 1982, com propósitos científicos e políticos referentes à Antártida. Ambos os propósitos foram atingidos em 1984, com a instalação da Estação Antártica Comandante Ferraz, na baía do Almirantado, na ilha do Rei George, a 130 km da ponta da península Antártica.

No ano de instituição do PROANTAR (1982), o Brasil adquiriu o navio-polar dinamarquês "Thala Dan", que foi renomeado "Navio de Apoio Oceanográfico (NApOc) Barão de Teffé". Naquele ano, a embarcação procedeu ao reconhecimento hidrográfico, oceanográfico e meteorológico de porções do continente Antártico com vistas a selecionar um local para a instalação de uma base brasileira. Em 12 de setembro de 1983, como resultado desta primeira expedição (designada Operação Antártica I), o Brasil foi reconhecido como Parte Consultiva do tratado da Antártica.

O Brasil realizou sua primeira expedição oficial à Antártica no verão 1982/1983, com o navio apoio oceanográfico NApOc Barão de Tefé, da Marinha do Brasil, e o navio oceanográfico NOc. Prof. Wladimir Besnad da USP. Os navios zarparam do porto de Rio Grande, estado do Rio Grande do Sul, em 26 de dezembro de 1982, com grande festividade e cobertura da imprensa. A bordo do NApOc Barão de Teffé havia 88 pessoas, entre militares, cientistas, jornalistas e convidados. No NOc W. Besnard estavam a bordo 12 pesquisadores e uma tripulação composta por 24 homens.

Em 5 de janeiro de 1983, depois de atravessar o Estreito de Drake, entre o extremo sul da América do Sul e a Antártica, onde reina um dos piores climas e condições de mar no mundo, o navio de apoio oceanográfico Barão de Tefé, entrou na Zona do Tratado Antártico, na latitude de 60 graus Sul. O comandante do navio era o CMG Fernando Pastor. Enquanto isto a equipe do NOc. Prof. W. Besnard realizava pesquisas oceanogáficas e meteorológicas no Estreito de Brainsfield.

Equipe da primeira expedição:

Motonaga Iwai –Biólogo - USP – Pesquisador chefe Alisson.
Phan Van Ngan - Bioquímico – USP
Moysés Gonsalez Tessler –Geólogo - USP
Oswaldo Ambrósio Jr. - Químico– USP
Rubens Junqueira Villela – Meteorologista- USP
Luiz Vianna Nonato – Eng. Eletrônico - USP
Frederico Brandini –Biólogo - UFPR
José Nestor Cardoso – Oceanólogo
Lauro Antoni Madureira – Oceanólogo - SUDEPE
Renato Amaral – Médico - UFRGS
Clarimundo De Jesus – Técnico - USP
Lourival Pereira De Souza –Técnico - USP

Em 23 de agosto de 1983, o avião C-130 Hercules, da Força Aérea Brasileira, pousou na pista de pouso da Estação Marsh, na Ilha do Rei George, do Chile, na Antártica, inaugurando o Vôo de Apoio Antártica, que vem sendo realizado sete durante as Operações Antárticas.

A Estação Antártica Comandante Ferraz foi instalada em 6 de fevereiro de 1984, na baía do Almirantado, ilha do Rei George, no âmbito da Operação Antártica II, realizada no verão de 1983-84. Inicialmente com oito módulos, a estação abrigou doze pessoas durante 32 dias, sendo desativada até a operação seguinte. Durante a Operação Antártica IV, em 1986, a estação passou a ser ocupada permanentemente.

Em 1994, a Marinha do Brasil adquiriu o navio-polar norueguês "Polar Queen", que foi renomeado "Navio de Apoio Oceanográfico NApOc Ary Rongel (H-44)" e substituiu o navio Barão de Teffé a partir da Operação Antártica XIII. A nova embarcação opera helicópteros, transporta 2 400 m³ de carga e possui laboratórios de pesquisa oceanográfica e meteorológica. Para complementar e, futuramente substituir, o NApOc Ary Rongel (H-44), a Marinha do Brasil negociou a compra e modernização do navio Ocean Empress, que após a sua modernização e adapatação recebeu o nome de NPo Almirante Maximiano (H-41).

A Força Aérea Brasileira apóia o PROANTAR por meio de sete vôos anuais com aeronaves C-130 Hercules que transportam equipamentos, material e pessoal, tanto no verão como no inverno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página