Páginas

Pesquisar no Blog

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Falhas na Expedição Russa a Phobos (Inteligência extraterrestre ou Falha no Sistema?)

"Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço." (Carl Sagan)

Entrevista da TV espanhola

25 Março, 1989 – A fotografia infravermelha ‘acima de ultra-secreto’ supostamente tomada pela sonda soviética Phobos II, mostrando um objeto aproximando-se da lua marciana. Estimativas dizem que o OVNI tinha aproximadamente 25 quilômetros de comprimento”. [UFO magazine, vol.7, n.1, 1992]

"Note como a falha vertical branca aparece na mesma região em várias imagens, algumas tomadas em 21 de fevereiro, mais de um mês antes da famosa imagem de 25 de março. Ou a nave marciana sempre aparecia exatamente na mesma posição para a câmera, ou realmente havia uma falha eletrônica, que só ocorria no espectro infravermelho – outras imagens em outras faixas de espectro não exibem a falha.
Agora, se ainda houver um mínimo resquício de dúvida – afinal, o conjunto de imagens é apresentado no website da Planetary Society, fundada por ninguém menos que Carl Sagan, deão cético, e como todo bom paranóico diria, “isso aí pode ter sido montado” – basta lembrar que a sonda Phobos 2 perdeu contato com a Terra em 27 de março, dois dias depois da famosa imagem “acima de ultra-secreta”. Muito menos dramático imaginar uma nave gigante que leva dois dias para abater uma pequena sonda.
O “Misterioso OVNI Gigante” é apenas uma falha eletrônica, e a imagem divulgada nos anos 1990 foi deliberadamente recortada para dificultar que isso fosse percebido. Note que a grande falha horizontal percorrendo toda a imagem e interrompendo o “OVNI” vertical não foi publicada pela UFO magazine."
(Fonte: ceticismoaberto)

Nota: Para quem não conhece Carl Sagan:

"Carl Edward Sagan (Nova Iorque, 9 de novembro de 1934 — Seattle, 20 de dezembro de 1996) foi um cientista e astrônomo dos Estados Unidos.
Em 1960, obteve o título de doutor pela Universidade de Chicago. Dedicou-se à pesquisa e à divulgação da astronomia, como também ao estudo da chamada exobiologia. Morreu aos 62 anos, de Câncer, no Centro de Pesquisas do Câncer Fred Hutchinson, depois de uma batalha de dois anos com uma rara e grave doença na medula óssea (mielodisplasia).
Com sua formação multidisciplinar, Sagan foi o autor de obras como Cosmos (que foi transformado em uma premiada série de televisão), Os Dragões do Éden (pelo qual Carl Sagan recebeu o prêmio Pulitzer de Literatura), O Romance da Ciência, Pálido Ponto Azul e O Mundo Assombrado Pelos Demônios: A Ciência Como Uma Vela No Escuro.
Escreveu ainda o romance de ficção científica Contato, obra que foi inclusive levada para as telas de cinema, posterior a sua morte. A última obra do autor, Bilhões e Bilhões, foi publicada postumamente por sua esposa e colaboradora Ann Druyan e consiste, fundamentalmente, numa compilação de artigos inéditos escritos por Sagan, tendo um capítulo sido escrito por Sagan enquanto se encontrava no hospital. Recentemente foi publicado no Brasil mais um livro sobre Sagan Variedades da experiência Científica - Uma visão pessoal da busca por Deus, que é uma coletânea de suas palestras sobre teologia natural.
Isaac Asimov descreveu Sagan como uma das duas pessoas que ele já encontrou cujo intelecto ultrapassa a dele próprio. O outro, disse ele, foi o cientista de computadores e perito em inteligência artificial Marvin Minsky.
Foi professor de astronomia e ciências espaciais na Cornell University e professor visitante no Laboratório de Propulsão a Jato do Instituto de Tecnologia da Califórnia. Criou a Sociedade Planetária e promoveu o SETI." (Wikipédia)

Após uma aproximação do satélite (Phobos II) russo a Phobos (Lua de Marte), ela misteriosamente foi atingida por alguma coisa e perdeu contato com a Terra, o motivo Moscou não soube explicar, mas antes de perder contato eles receberam uma foto do satélite, mostrando um objeto em forma de charuto com aproximadamente 25km de comprimento. Antes da colisão misteriosa o satélite estava entre a órbita de Marte e Phobos quando fotografou uma sombra em forma de charuto com as mesmas dimensões, o fato ficou bem famoso na época e foi muito polêmico, porque a Dra. Marina Popovich que foi cosmonauta russa e piloto de testes disse a televisão espanhola que poderiam ser inúmeras coisas, problemas de comunicação, problemas mecânicos, elétricos e também poderia ser TECNOLOGIA EXTRATERRESTRE, ai eu me pergunto, porque uma cosmonauta russa iria denegrir a própria imagem dizendo algo absurdo, bom a conclusão que cheguei foi que se ela estivesse dizendo algo, significaria que aquilo tinha embasamento, não era uma probabilidade absurda.
Depois de assistir isso fiquei intrigado e pensativo, não digo que acredito, mas não digo que não pode ter possibilidade de vida extraterrestre inteligente fazendo contato conosco, depois de divagar bastante li outro assunto bem interessante que coloco aqui pra vocês:

Mitchell reafirma em público existência de extraterrestres

Fonte: Portal Terra

O astronauta aposentado Edgar Mitchell

O astronauta aposentado Edgar Mitchell – que fez parte da missão com destino à Lua Apollo 14, em 1971 – afirmou que existe vida extraterrestre e que o governo americano esconde informações sobre o assunto. Segundo o site do jornal britânico Telegraph, as afirmações foram feitas durante a quinta X-Conference – um encontro anual que reúne ufólogos e outras pessoas que acreditam na existência de discos voadores e formas de vida alienígena – que aconteceu do dia 17 ao dia 19 de Abril.
De acordo com o jornal, o ex-astronauta, hoje com 78 anos, disse: “não estamos sozinhos. Nosso destino é tornar-nos parte de uma comunidade planetária. Nós devemos estar prontos para ir além do nosso planeta e além do nosso sistema solar para descobrir o que está realmente acontecendo lá fora.”
Mitchell, que foi piloto do módulo lunar na Apollo 14, também disse que em 1947 tentou investigar o chamado “Incidente Roswell” – um suposto disco voador que teria caído na localidade de Roswell, no Novo México – , mas que foi dissuadido por autoridades militares. O astronauta, que cresceu na cidade de Roswell, afirmou que na época os moradores “foram silenciados pelas autoridades militares que ordenaram que não se falasse sobre essa experiência.”
Ele alegou que tentou buscar as provas que foram colhidas com moradores locais pelo Pentágono. Segundo ele, um oficial do governo – cujo nome não foi citado – havia prometido que descobriria mais informações, mas seu acesso foi negado quando ele “tentou entrar no trabalho interno desse processo”. Michell afirma que o oficial nega a história.
“Convido a todos aqueles que duvidam: leiam os livros, comecem a compreender o que realmente aconteceu. Porque realmente não há nenhuma dúvida de que estamos sendo visitados”, disse Mitchell. “O universo em que vivemos é muito mais maravilhoso, emocionante, complexo e abrangente do que jamais fomos capazes de entender.”
Em resposta às afirmações de Michell, pela rede americana CNN, um porta-voz da Nasa afirmou que “a Nasa não acompanha discos voadores e não está envolvida em qualquer tipo de encobrimento sobre vida extraterrestre neste planeta ou em qualquer outro lugar.”
Stephen Bassett, chefe da Paradigm Research Group (PRG), que sediou a X-Conference este ano, disse à CNN que “há um terceiro trilho (na política americana), que é a questão dos extraterrestres.”

Ex-astronauta Gordon Cooper quer estudo oficial sobre ÓVNIs



Um dos primeiros norte-americanos a ver a Terra do espaço tem certeza de que não estamos sós no Universo
27/ 10/ 2003 – O ex-astronauta norte-americano Gordon Cooper, um dos primeiros homens a ficar em órbita da Terra, é um dos poucos astronautas que admitem publicamente experiências relacionadas aos chamados Objetos Voadores Não Identificados. Cooper defende a realização de um estudo sério e governamental sobre o tema.
Gordon Cooper, de 76 anos, disse que a visão da Terra a partir do espaço o ajudou a entender o quanto somos insignificantes, quando comparados ao universo. ”Creio que á outros seres no espaço. Muitas pessoas qualificadas e dignas de crédito viram veículos extraterrestres e, em alguns casos, também seus tripulantes. Não podemos ignorá-los. Acredito, sim, que estejam nos visitando”.
O ex-astronauta chegou a endereçar uma carta à ONU em 1978, onde dizia que os Homens deveriam aprender a viver em paz, antes de tentarem um contato interplanetário. ”É uma vergonha que a Humanidade não consiga viver em paz. Imagino que os ETs pensem: ’se eles não se entendem, porque deveríamos contatá-los?’ Gosto da idéia de que, um dia, poderemos trabalhar junto desses seres e usufruir de sua ajuda”.
Sobre o acobertamento da presença extraterrestre em nosso planeta, Cooper crê que os vários governos não falaram tudo o que sabem sobre o assunto com a finalidade de proteger a população do pânico que poderia haver se soubéssemos que civilizações inteligentes do espaço nos visitam.”Acredito que, se os governos esconderam isso tão bem até hoje, eles decidiram manter esse acobertamento. Vários amigos meus que estão no governo norte-americano acham que em pouco tempo as autoridades serão obrigadas a revelar a verdade”, finaliza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Total de visualizações de página